Olhos metálicos

O escritor e pesquisador Rinaldo de Fernandes, especialista no Romance de 30, descobriu recentemente que também Graciliano Ramos era leitor de ficção científica, especialmente de Jules Verne e H.G. Wells.

Rinaldo encontrou nos papéis de Graciliano os primeiros esboços de seu romance mais célebre, cuja trama era pra ser um pouco diferente da versão final, publicada em 1934.

O que levou o romancista a mudar a trama do romance ninguém sabe. Em cartas aos amigos ou nas páginas de seu diário, Graciliano não toca no assunto. O que sabemos com certeza é que, se o plano inicial tivesse sido mantido, São Bernardo seria hoje mais uma narrativa essencial da ficção científica brasileira.

São Bernardo
Romance sobre vida extraterrestre de Graciliano Ramos
Paulo Honório foi, veio, virou, revirou, ganhou, emprestou. Conheceu Padilha, emprestou mais. Padilha andava na beira do rio, tomando cachaça, descuidado da fazenda São Bernardo. Padilha não teve como pagar o empréstimo, ficou deitado na rede suja, uma chuva raiada, as telhas de bico aberto, gotejando, a fazenda com mato, potó, Paulo Honório, o olho gordo, foi cobrar o seu, peitou, encurralou Padilha, que cedeu, foi passado, logo vendeu a fazenda. Paulo Honório aí tocou o negócio, fez o motor girar, enricou, bateu em gente, enricou mais. Pagou o casamento com Madalena, ser diferente, e bem, dele, transgênica, solidarizava-se até com as árvores da fazenda, onde um dia pousaram umas patativas metálicas, de canto de mola, Madalena pegou carona com elas, largou-se para o planeta Pitão, que tinha mandacarus marrons, enfiados em geleiras, rolinhas pingando de aroeiras e alguns pastos, o que fazia Madalena, em seu casebre de travessas de prata, entalado entre duas rochas, com jirau e uns pingüins engraçados no terreiro, lembrar do filho e chorar aos montes, que eram elevados e com neve rosada, e ninguém mais soube o que aconteceu com Madalena, só Padilha, que virou professor-operário em São Bernardo, que contava a história pros meninos embasbacados, de olhos também metálicos pra saber a verdadeira história da mulher que viajou com as patativas para Pitão, enquanto Paulo Honório, diante do seu crepúsculo, seco, cacto, a alma agreste, a alma poente, fenecia.

Pesquisa: Rinaldo de Fernandes

Anúncios

Tags: ,


%d blogueiros gostam disto: